segunda-feira, 20 de março de 2017

20 Coisas Que Aconteceram Há 20 anos (1997)

por Paulo Neto

No início deste ano, algures no meu feed do Facebook, deparei-me com um vídeo que compilava várias canções do ano de 1997. Foi com nostalgia e espanto que recordei esse desfile de canções, nostalgia porque eram canções que me traziam memórias bem presentes da altura e de espanto ao perceber-me que canções como "Barbie Girl", "Tubthumping" ou "Hmm Bop" já tinham vinte anos! E mais ainda, já passaram mais anos desde então do que aqueles que eu tinha na altura!
No mês passado, tive a oportunidade de visitar de novo a cidade do Porto a onde eu já não ia precisamente desde o ano de 1997, durante uma excursão de quatro dias ao Norte do país em que participaram algumas turmas do 11.º ano da minha escola, nomeadamente a minha. E esse regresso à Cidade Invicta fez-me uma vez mais reflectir sobre outras memórias do ano de 1997, e fui desenterrando várias memórias, algumas pessoais, outras colectivas e muitas vezes dei por mim estarrecido ao perceber que algumas dessas memórias que eu tinha como relativamente recentes já são longínquas. Graças a esse exercício de arqueologia mental que decidi escrever um texto reunindo vinte coisas de há vinte anos, numa viagem ao antepenúltimo ano da última década do século XX.



1. 1997 foi o 2016 dos anos 90, em termos de mortes de celebridades. 
Entre as várias tribulações do ano passado, uma das mais célebres foi a invulgar quantidade de óbitos de várias celebridades e personalidades notáveis, quer a nível mundial, quer nacional. E se houve ano durante a década de 90 que se pode comparar a 2016 nesse termos, foi sem dúvida 1997 onde várias celebridades deixaram este mundo, algumas de forma trágica.
Basta pensar que o acontecimento desse ano que mais abalou o mundo foi a morte da Princesa Diana de Gales, na madrugada de 31 de Agosto num acidente de automóvel que vitimou o seu então namorado Dodi Fayed. Falecia assim aos 36 anos (já vivi mais tempo que ela!) aquela que foi denominada a Princesa do Povo. Uma multidão como se raramente tinha visto até em Londres acorreu para se despedir de Diana, o mundo inteiro parou para assistir ao seu funeral na televisão e a nova versão de "Candle In The Wind" que Elton John interpretou durante a cerimónia tornou-se o single mais vendido de sempre.



Mas outras celebridades deixaram-nos em 1997: a Madre Teresa de Calcutá, Prémio Nobel da Paz em 1979, faleceu poucos dias depois da Princesa Diana; o estilista Gianni Versace foi assassinado à porta da sua casa em Miami; o rapper Notorious B.I.G. também foi assassinado a tiro; Michael Hutchence, o líder dos INXS, suicidou-se num hotel em Sydney  e o cantor John Denver perdeu a vida num acidente de avião. 
Também falecidos em 1997: as estrelas de Hollywood Robert Mitchum e James Stewart; o extravagante presidente do Zaire (actual República Democrática do Congo) Mobutu Sese Seko e o antigo líder da República Popular da China Deng Xiaoping; o poeta beatnik Allen Ginsberg, o músico Jeff Buckley, o explorador Jacques Cousteau e a francesa Jeanne Calment que aos 122 anos era o ser humano que se sabia ter comprovodamente vivido mais tempo. Em Portugal, destaque para o falecimento do poeta Al Berto.


R.I.P 1997: Madre Teresa de Calcutá, Gianni Versace, Notorious BIG, Michael Hutchence



2. Foi o ano em que nasceram várias celebridades actuais.
Em contrapartida, 1997 foi o ano em que nasceram algumas das mais jovens celebridades actuais que completaram ou completarão duas décadas de vida ao longo deste ano. Da actual diva da ginástica Simone Biles ao novo talento do futebol português Renato Sanches, da cantora sueca Zara Larsson à argentina Martina Stoessel (a eterna Violetta), da jovem estrela de Hollywood Chloe Grace Moretz ao ídolo teenager australiano Cody Simpson, da Infanta Maria Francisca, filha dos Duques de Bragança, à multi-campeã olímpica da natação Katie Ledecky, de Maisie Williams, a Arya de "Game Of Thrones", ao DJ e produtor anglo-norueguês Alan Walker, autor dos hits "Faded" e "Sing Me To Sleep", da estrela de reality shows Kylie Jenner ao rapper Desiigner. Uff...Para terminar em beleza, também nascida em 1997 é a activista paquistanesa Malala Yousafzai, a mais jovem galardoada de sempre com o Prémio Nobel da Paz.  


Geração de 1997: Simone Biles, Renato Sanches, Martina Stoessel, Malala Yosufzai



3. Pedro Santana Lopes foi eleito presidente da Câmara da Figueira da Foz



A política nacional foi marcada em 1997 pelas eleições autárquicas, que se realizaram a 14 de Dezembro. O resultado mais mediático foi sem dúvida a vitória de Pedro Santana Lopes à Câmara da Figueira da Foz pelo PSD, terminando assim vários anos de vigência socialista nessa autarquia. Foi a única grande mudança de poder nestas eleições, que primaram pela continuação de vários autarcas na liderança dos respectivos concelhos, incluindo quatro autarcas que viriam a ver-se com mediatizados problemas com a lei em anos vindouros: Valentim Loureiro (Gondomar), Fátima Felgueiras (Felgueiras), Isaltino Morais (Oeiras) e Avelino Ferreira Torres (Marco de Canaveses). João Soares que assumiu a presidência da Câmara de Lisboa após a eleição de Jorge Sampaio como Presidente da República em 1996 foi eleito para um novo mandato, tendo perdido a eleição para um terceiro mandato em 2001 para...Pedro Santana Lopes.  

4. O Massacre do Meia Culpa em Amarante
Foi a 16 de Abril de 1997 que ocorreu um dos crimes mais violentos no nosso país. Três homens armados e encapuzados invadiram a boîte Meia Culpa em Amarante, regando o local com gasolina e abrindo fogo no estabelecimento, mantendo clientes e funcionários encostados à parede sob a ameaça de armas. Treze pessoas morreram no meio do pânico causado pelo incêndio.


A investigação da Polícia Judiciária apuraria que o mandante do crime foi José Queirós, proprietário de um estabelecimento rival, o Diamante Negro. José Queirós e os três autores materiais do crime foram condenados à pena máxima da lei portuguesa de 25 anos.

5. A agressão de Sá Pinto a Artur Jorge
Na manhã de 26 de Março de 1997, a selecção nacional reuniu-se no Jamor para preparar o jogo de qualificação para o Mundial de 1998 contra a Irlanda do Norte, que se realizaria três dias depois em Belfast. Quando se dirigia para o centro de estágio, o seleccionador Artur Jorge foi surpreendido com a chegada de Ricardo Sá Pinto que se lhe dirigiu para lhe agredir com murros, bem como aos que o acompanhavam, alegadamente por não ter sido convocado para esse jogo. Sá Pinto seria punido com uma suspensão de um ano sem jogar, sendo transferido nesse ano do Sporting para a Real Sociedad.
O jogo contra a Irlanda do Norte terminaria empatado a zero.



6. A culpa foi do Batta
Porém o momento mais trágico para Portugal na fase de qualificação para o Mundial de 1998 aconteceu no dia 6 de Setembro de 1997 durante o jogo com a Alemanha no Estádio Olímpico de Berlim. A selecção nacional teve um mal início de campanha, com um embaraçoso empate a zero com a modesta Arménia e um derrota contra a Ucrânia em Kiev, pelo que cedo Portugal teve que correr atrás do prejuízo. As coisas até corriam bem e o apuramento, pelo menos para os play-offs, era bem possível quando a Selecção se apresentou em Berlim para o penúltimo jogo. E em terras alemãs, a Selecção teve uma muito boa exibição que culminou com um golo de Pedro Barbosa ao 70 minutos, levando a acreditar que estaríamos perante um reedição do jogo de 1985 onde Portugal bateu a Alemanha em Munique, garantindo um apuramento para o Mundial de 1986.


Só que ao minuto 74, o incrível aconteceu: o árbitro francês Marc Batta mostrou um segundo cartão amarelo (e consequente cartão vermelho) a Rui Costa, por alegadamente este demorar demasiado tempo a sair do terreno de jogo para ser substituído. O incidente desestabilizou a selecção nacional e a Alemanha aproveitou para empatar. Como tal, Portugal ficou virtualmente afastado do Mundial (não só era preciso ganhar no último jogo frente à Irlanda da Norte - que aconteceu- como haver uma vitória da Arménia sobre a Ucrânia que não se realizou). A Alemanha passou directamente e a Ucrânia apurou-se para os play-offs onde foi derrotada pela Croácia.
Ainda hoje são muitos que acreditam que não se justificava tal punição a Rui Costa, como quem especule mesmo que Batta agiu deliberadamente para prejudicar Portugal e/ou favorecer a Alemanha. E para sempre ficou a imagem de Rui Costa em lágrimas.



7. Mário Jardel foi pela primeira vez melhor marcador nacional



Foi na época 1996/97 que Mário Jardel Almeida Ribeiro chegou ao futebol português, saído do Grémio de Porto Alegre para o FC Porto onde cedo deu largas ao seu talento como ponta de lança. A veia goleadora do brasileiro contribuiu amplamente para um terceiro título consecutivo do FC Porto nesse ano, o primeiro tri dos dragões que nos anos seguintes transformar-se-ia em penta.
Foi a primeira de quatro vezes consecutivas que Jardel foi o melhor marcador do campeonato nacional ao serviço do FC Porto, tendo conseguido uma quinta pelo Sporting, até a sua carreira ir pelo cano abaixo e desde então ter sido notícia por motivos fora do futebol.

8. Uma atleta fez topless involuntário nos Mundiais de Atletismo
Os Campeonatos Mundiais de Atletismo de 1997 disputaram-se em Atenas, de onde Portugal saiu com quatro medalhas: ouro para Carla Sacramento nos 1500m, prata para Manuela Machado na maratona enquanto a campeã olímpica Fernanda Ribeiro arrecadou a prata nos 10000m e o bronze nos 5000m.
Foi precisamente numa das corridas das eliminatórias dos 5000m femininos que um curioso incidente ocorreu: a atleta da Eritreia Nebiat Habtemariam, que terminou essa corrida no antepenúltimo lugar, correu toda a prova com uma T-shirt demasiado larga, emprestada de um colega de equipa, e...sem soutien, o que resultou que um dos seus seios ficasse perfeitamente expostos enquanto ela corria.


As câmaras de televisão presentes no estádio aperceberam-se disso e a certa altura tanto focavam na frente da corrida como no topless involuntário de Nebiat, então com 18 anos. Ao que parece, a atleta, compreensivelmente envergonhada, não mais saiu do seu quarto de hotel em Atenas até partir de novo para o seu país.
Nos anos seguintes, Nebiat Habtemariam tornou-se uma das principais corredoras de fundo e meio-fundo do seu país, tendo competido em três Jogos Olímpicos e cinco Mundiais de Atletismo, o último dos quais em 2015, onde correu a maratona. Em 2012, foi terceira na maratona de Milão.

9. Lisboa organizou um evento olímpico
As Jornadas Olímpicas da Juventude Europeia eram uma competição multi-desportiva para jovens atletas europeus entre os 13 e os 18 anos, sendo aliás a primeira competição multi-desportiva pan-europeia. Criada pelo futuro presidente do Comité Olímpico Internacional Jacques Rogge sob a égide da Associação Europeia de Comités Olímpicos, a primeira edição do evento teve lugar em 1991 em Bruxelas, que desde então passou-se a realizar de dois em dois anos (uma competição equivalente de desportos de Inverno foi também instaurada a partir de 1993).
Lisboa recebeu a quarta edição das JOJE de Verão entre 18 e 24 de Julho de 1997. 2500 jovens atletas (muitos dos quais já marcariam presença nos próximos Jogos Olímpicos em 2000)  de 47 países europeus competiram em dez modalidades: atletismo, natação, ginástica, ciclismo, judo, vela, futebol, basquetebol, andebol e voleibol. O Estádio Universitário, as piscinas do Restelo, o parque de Monsanto, a antiga FIL, o Pavilhão Desportivo da Ajuda e as docas de Belém foram os palcos das diferentes provas. Eu recordo-me de ter visto a cerimónia de abertura transmitida na RTP em directo do Estádio Universitário, onde Rosa Mota transportou uma chama e Luís Represas foi o convidado musical.  Portugal obteve três medalhas, uma de prata no atletismo (Filipe Pedro nos 3000m) e duas de bronze, no futebol e no andebol (ambos em masculinos).

Filipe Pedro

Infelizmente, apesar de serem o mais parecido com que já tivemos com ter uns Jogos Olímpicos no nosso país, as JOJE 1997 passaram largamente despercebidas e eu encontrei muito pouca informação na internet sobre o evento.
A partir de 2001, o evento passou a chamar-se Festival Olímpico da Juventude Europeia. Alguns dos nossos maiores atletas como os medalhados olímpicos Nelson Évora e Fernando Pimenta e até Cristiano Ronaldo himself passaram pelo FOJE. A edição de 2017 terá lugar em Gyor, na Hungria.

10. Hillary Clinton ganhou um Grammy



Sim, a então primeira dama dos Estados Unidos e mais tarde a primeira mulher candidata à Casa Branca foi uma das vencedoras da cerimónia dos Grammys de 1997. Mas não, Hillary Clinton não se meteu em cantigas, pois ganhou o galardão para Melhor Disco Falado ou Não Musical, devido à sua narração da versão audio do seu livro "It Takes A Village: And Other Lessons That Children Teach Us".

11. A idade somada dos Hanson era de 41 anos



No início deste texto referi "Hmm Bop" como uma das músicas do ano de 1997. Quem não se lembra deste alegre e solarengo tema interpretado pelos três irmãos Hanson, todos eles de longa melena loura? Mas na altura o que mais impressionou foi que quando "Hmm Bop" ascendeu ao primeiro lugar dos tops dos Estados Unidos e do Reino Unido em Maio de 1997, a soma das idades dos três irmãos era tão somente de 41 anos: Isaac tinha 16 anos (faria 17 em Outubro), Taylor 14 anos e  o pequeno às da bateria Zachary virou um ídolo pop antes de chegar ao seu 12.º aniversário. E os três eram apenas os mais velhos de uma numerosa família, com mais um irmão e três irmãs, uma delas nascida em 1997.
No seguimento do sucesso de "Hmm Bop", outros singles do álbum "Middle Of Nowhere" também tiveram algum êxito como "Where's The Love" e "I Will Come To You". Mesmo sem nunca mais repetirem o estrondoso êxito que obtiveram quando muito jovenzinhos, os três manos nunca deixaram de editar discos e dar concertos por todo o mundo, e ainda hoje o fazem, já trintões. E fazendo jus à tradição reprodutiva da família: Isaac tem três filhos, Zack quatro e Taylor cinco.

Os Hanson em 2016


12. Portugal foi corrido a zeros no Festival da Eurovisão
Pela terceira vez em quatro anos, o Festival da Eurovisão teve lugar em Dublin, fruto de (mais) uma vitória da Irlanda no ano anterior. Portugal até vinha tendo bons resultados na década de 90, mas em 1997, obteve um do seus piores. Embora fosse opinião geral de que não se justificava tamanho descalabro, o certo é que a interpretação de "Antes Do Adeus" por parte de Célia Lawson (acompanhada no coro por quatro cantores que mais pareciam Agentes da "Matrix")  não convenceu a Europa e não recebeu um pontinho para a amostra, algo que só tinha acontecido antes na nossa primeira participação em 1964. Esta foi também a última das quatro letras que Rosa Lobato Faria escreveu para participações eurovisivas de Portugal. Se em 1992, escreveu uma apetitosa salada de frutas para Dina, em "Antes Do Adeus", o destaque em "Antes Do Adeus" foram as referências a Pedro Abrunhosa e José Saramago.


Restou o consolo de que não fomos o único país com tal infortúnio já que a Noruega também ficou a zero e que, apesar disso, Portugal manteve um coeficiente suficiente para poder participar no ano seguinte. No pólo oposto ficou o Reino Unido, que obteve uma concludente vitória, a quinta (e até agora última) do país, com "Love Shine A Light" pelos Katrina & The Waves. (Sim, esses do clássico eighties "Walking On Sunshine") 

13. George Clooney foi Batman



Depois de Michael Keaton nos dois fimes de Tim Burton que reavivaram o interesse nas aventuras do mítico Homem Morcego e de Val Kilmer no terceiro filme, para o quarto opus da saga de Batman, foi a vez de George Clooney, recém-chegado ao estrelato devido ao seu papel em "E.R.", quem deu corpo ao herói protector de Gotham City. "Batman & Robin" foi realizado por Joel Schumacher, que assinou o filme anterior e com Chris O'Donnell de novo no papel de Robin. Além disso, pela primeira vez surgiu a Batgirl, interpretada por Alicia Silverstone, enquanto que os papéis de vilões estiveram a cargo de Arnold Schwarzenegger como Mr. Freeze e Uma Thurman como Poison Ivy. Decerto que com tantas estrelas e tão bons antecedentes, que este quarto tomo da saga seria um sucesso garantido, certo?

Só que não. "Batman & Robin" foi arrasado pela crítica e a receita foi bem menor que a dos outros filmes da saga, ao ponto de que só em 2005 é que Hollywood voltou a abordar o universo do Homem Morcego. O único legado positivo do filme foi a sensual interpretação e o figurino de Uma Thurman como Poison Ivy, que desde então tornou-se um muito requisitado disfarce para os Halloweens e Carnavais dos anos seguintes.




14. O Martini Man e Kelly Fisher no Portugal Fashion
Nos primórdios do Portugal Fashion, cuja edição inicial foi em 1995, a principal atracção era o facto de o evento trazer a Portugal, nomeadamente ao Porto, algumas das mais famosas top models mundiais (ou não estivéssemos na era dourada das top models) para desfilarem criações dos designers nacionais. Por exemplo, só na primeira edição marcaram presença rainhas das passerelles como Claudia Schiffer, Elle McPherson e Helena Christiansen. Para a edição de 1997, os nomes internacionais foram a top model holandesa Karen Mulder, o consagrado modelo anglo-iraniano Cameron Alborzian e dois modelos americanos mais conhecidos por motivos fora das passerelles: Charles David Sahagian, um dos homens que encarnaram o Martini Man, protagonista dos célebres anúncios a preto e branco da famosa marca, e Kelly Fisher, que em Agosto desse ano, fizera notícia ao afirmar que estava noiva de Dodi Fayed quando este iniciou uma relação com a princesa Diana.

Kelly Fisher com a sua porta-voz,
usando o alegado anel de noivado de Dodi Fayed
Karen Mulder no Portugal Fashion 1997

Mas na hora da verdade, enquanto Karen Mulder e Cameron Alborzian confirmaram o seu estatuto, Sahagian e Kelly Fisher foram flops: ele, sem os óculos da sua personagem, era um rapaz absolutamente normal (mais parecia o namorado da filha da vizinha do segundo esquerdo) e ela (a quem os jornalistas foram interditos de fazer perguntas sobre os recém-falecidos Dodi e Diana) afinal não passava de uma modelo da terceira divisão distrital.  

15. Diana Pereira e Soraia Chaves, campeãs nacionais da moda

Já falámos aqui do triunfo nacional e internacional de uma muito jovem Diana Pereira na edição portuguesa e mais tarde mundial do Supermodel Of The World 1997. Mas também nesse ano, uma jovem modelo ganhou outro importante concurso de manequins, dando desde logo cartas na moda nacional e mais tarde, na representação. Falo de Soraia Chaves, que com 15 anos, venceu a edição de 1997 do Elite Model Look Portugal.



Curiosamente, um dos convidados musicais desse evento foram os dinamarqueses Aqua que cantaram "Barbie Girl", que pouco tempo depois seria um dos hits mundiais do ano.


16. O "Anticristo" Marilyn Manson no primeiro Festival do Sudoeste
Foi entre 8 e 10 de Agosto de 1997 que a Zambujeira do Mar foi pela primeira vez palco daquele que rapidamente se tornou um dos mais importantes festivais de música nacionais, o Festival do Sudoeste, que na altura tinha a cerveja Sagres como patrocinador principal.


E para abrir logo em beleza, o principal nome do cartaz era Marilyn Manson, que na altura dava que falar tanto pelo álbum "Antichrist Superstar" como pelas suas declarações que chocavam os sectores mais conservadores da sociedade, considerado mesmo por alguns como o Anticristo himself.
Outros nomes sonantes que actuaram no primeiro Festival do Sudoeste foram Blur, Suede, Veruca Salt, dEus e a nível nacional, Xutos & Pontapés, Da Weasel, Entre Aspas, Cool Hipnoise e Rio Grande.



17. Os Anjos ganharam um programa da RTP
Lembram-se do programa "Casa de Artistas", apresentado por Serenella Andrade, exibido pela RTP aos domingos em 1997? Não? Tudo bem.



Mas foi neste programa onde duplas de familiares ou amigos exibiam os seus dotes vocais, que os irmãos Nelson e Sérgio Rosado se deram a conhecer. Graças à sua interpretação de temas dos anos 60 como "Stand By Me", "Here Comes The Night" e "Unchained Melody", Nelson e Sérgio, então com 17 e 21 anos, foram passando as eliminatórias e acabaram por vencer a final. Ainda em 1997, juntaram-se a Pedro Camilo e Telmo Miranda na efémera boyband Sétimo Céu e mais tarde, alcançaram ainda maior sucesso como os Anjos.



18. Bárbara Guimarães passou da TVI para a SIC (e casou-se em Punta Cana)


Bárbara Guimarães na Ilha da Caras (Fevereiro de 1997)

Foi em 1997 que Bárbara Guimarães, uma das mais notadas caras dos primeiros anos da TVI, trocou Queluz de Baixo por Carnaxide para apresentar na SIC a quarta edição do "Chuva de Estrelas", programa que conduziria por mais três temporadas, rapidamente ascendendo à primeira liga de personalidades televisivas nacionais.


Foi também neste ano que Bárbara Guimarães casou (não muito) secretamente em Punta Cana, na República Dominicana, com o então namorado Pedro Miguel Ramos. Uma cerimónia que se julgavam ter sido meramente simbólica mas afinal tinha validade legal, o que dificultou a oficialização do casamento de Bárbara Guimarães com Manuel Maria Carrilho em 2001. 

19. Outras estreias


Entre várias estreias de 1997, há que destacar em televisão dois dos mais famosos produtos de ficção nacional da RTP da segunda metade dos anos 90: "Riscos", a série adolescente precursora dos "Morangos Com Açúcar" e "Herman Enciclopédia", outro inigualável programa de Herman José que nos deu os inesquecíveis Diácono Remédios, Homens Do Norte, a Supertia e a Melga Shop. (Ambos os programas já tiveram o seu cromo aqui no blogue).


A 5 de Junho de 1997, era editado o primeiro número da revista Ana, acabando assim com o monopólio da revista Maria em termos de revistas tablóides com nome feminino. (Não, não teve logo a sua versão "mais atrevida", essa só surgiu em 2002).


Foi também em 1997 que aconteceu a primeira edição do Festival de Cinema Gay & Lésbico de Lisboa (actual Queer Lisboa), um dos primeiros eventos dedicados às artes e à cultura das comunidades LGBT de todo o mundo, que rapidamente se tornou um dos mais prestigiados festivais de cinema relacionados com essa temática a nível mundial. O certame também desde então sido referido como um grande contributo para uma maior aceitação e conhecimento da comunidade LGBT em Portugal. 

20. Os portugueses caem na tentação de ver "Tentação" 



Já na recta final do ano, a 26 de Dezembro de 1997, estreia o filme "Tentação", realizado por Joaquim Leitão e protagonizado por Joaquim de Almeida. Tal como "Adão E Eva" dois anos antes, o filme foi amplamente divulgado pela SIC e os portugueses acorreram para ver a história de um padre que se apaixona por uma toxicodependente (Cristina Câmara), batendo os recordes de bilheteira para um filme português. (Fica a promessa para um texto sobre este filme aqui no blogue para breve)

Para terminar, fica a pergunta para os leitores. Que memórias têm vocês do ano de 1997? Que acontecimento desse ano ficou esquecido neste texto e gostariam de ver referido?




terça-feira, 14 de março de 2017

"Time To Say Goodbye" Andrea Bocelli & Sarah Brightman (1996)

por Paulo Neto




O pugilista alemão Henry Maske foi uma das maiores figuras desportivas do seu país nos anos 90. Campeão olímpico de pesos médios em 1988 pela RDA, Maske tornou-se profissional após a reunificação da Alemanha em 1990 e nos seis anos seguintes venceu trinta combates consecutivos. 
E agora perguntam vocês: "O que é que um pugilista alemão tem a ver com este famosíssimo dueto de Andrea Bocelli e Sarah Brightman?". A resposta bem que podia ser "tudo", mas já lá vamos.



Andrea Bocelli nasceu a 22 de Setembro de 1958 em Lajatico, na província de Pisa. Nascido com problemas de visão devido a um glaucoma congénito, viria a perder totalmente a visão aos 12 anos durante um jogo de futebol em que estava à baliza e foi atingido com uma bola no olho. Mas esse duro revés só o levou a dedicar-se ainda mais à música, que estudava desde os seis anos. 

Em 1992, Bocelli gravou uma demo para uma canção que seria um dueto entre Zucchero e Luciano Pavarotti. Diz-se que este ficou tão impressionado que até disse a Zucchero para gravar a canção com Bocelli. Pavarotti e Zucchero acabariam por gravar de facto a canção "Miserere", mas Zucchero passou a requisitar Andrea Bocelli para alguns dos seus espectáculos e foi ao cantar na festa de aniversário de Zucchero que ele conseguiu um contrato discográfico.
Em 1994, Andrea Bocelli venceu a secção de novos talentos do Festival de San Remo com "Il Mare Calmo De La Serra", que viria também a ser o título do seu primeiro álbum. Ainda nesse ano, estreou-se numa ópera e cantou para o Papa João Paulo II. 
Em 1995, Bocelli voltou a San Remo, desta vez na competição principal, tendo ficado em quarto lugar com um certo tema chamada "Con Te Partiró", que viria a ser parte do seu segundo álbum. O tema não teve particularmente sucesso em Itália mas acabou por ser um estrondoso sucesso na Bélgica e na França em 1996.



E eis-nos chegado a Henry Maske. Aparentemente entre a sua entourage estava gente ligada à indústria musical, que soube como aproveitar a popularidade de Maske para promover certas músicas. Foi por exemplo devido ao uso de "The Conquest Of Paradise" durante a entrada de Maske em alguns dos seus combates, que o tema de Vangelis originalmente composto para a banda sonora do tema "1492 - Cristóvão Colombo" tornou-se um hit na Alemanha em 1995 (três anos após a sua edição) com o sucesso a espalhar-se a outros países europeus, incluindo Portugal (onde foi famosamente usado para campanhas políticas). A 23 de Novembro de 1996, para o combate final de Henry Maske contra o americano Virgil Hill, responsáveis da editora East West decidiram promover uma nova versão de "Con Te Partiró" com Andrea Bocelli em dueto com Sarah Brightman, reintitulada "Time To Say Goodbye", o único verso em inglês da nova versão. Brightman já tinha actuado anteriormente num dos combates do Maske e sem dúvida que os responsáveis da editora tinham em mente o sucesso popularíssimo dueto da ex-mulher de Andrew Lloyd Webber com José Carreras, "Amigos Para Siempre", o tema dos Jogos Olímpicos de 1992 e acalentavam o desejo de que este novo dueto pudesse repetir ou superar o sucesso daquele.
Bocelli e Brightman actuaram durante a abertura do combate entre Maske e Hill em Munique, que foi visto por 21 milhões de pessoas na televisão e a música foi tocada novamente no fim do combate, enquanto um emocionado Henry Maske (que perdeu o combate por decisão técnica, mas viria a ganhar no combate de desforra contra Hill em 2007) despediu-se de uma multidão que o ovacionava de pé.




E se a versão a solo de Andrea Bocelli já era extremamente poderosa, em dueto com Sarah Brightman, o tema era absolutamente esmagador e o impacto da sua exibição durante o combate não se fez esperar. "Time To Say Goodbye" subiu ao primeiro lugar do top alemão ainda em Dezembro de 1996, onde ficou durante 13 semanas, vendendo mais de 2 milhões e meio de cópias, sendo um dos singles mais vendidos de sempre na Alemanha. No ano seguinte, o sucesso do tema estendeu-se a outros países, tendo sido n.º 1 na Áustria, na Suíça e na Irlanda e n.º 2 no Reino Unido. Na senda do sucesso do tema, Andrea Bocelli editou nesse ano o álbum "Romanza" que além de "Con Te Partiró" e "Time To Say Goodbye", incluía faixas dos seus dois primeiros álbuns de originais. "Romanza" foi n.º 1 em vários países (incluindo Portugal) e vendeu mais de 20 milhões de discos, pelo que é o álbum mais vendido de sempre de um artista italiano. "Time To Say Goodbye" foi também incluído no álbum "Timeless" de Sarah Brightman.





O êxito do dueto catapultou Andrea Bocelli para um inesperado estatuto de popstar e até de sex-symbol (em 1998 foi eleito pela revista People como uma das 50 pessoas mais bonitas do mundo). Desde então já cantou no mundo inteiro, já fez dueto com este mundo e o outro (Céline Dion, Christina Aguilera, Eros Ramazzotti, Jennifer Lopez, Nelly Furtado, Dulce Pontes...), tem uma estrela no Passeio da Fama de Hollywood e já perdeu a conta aos discos de platina vendidos, alternando entre registos pop e incursões na ópera e no bel-canto.



Desde então "Time To Say Goodbye" já foi utilizado em vários filmes, séries e anúncios publicitários e versionado por inúmeros cantores, em várias línguas e de várias formas, como na versão dance-pop de 1999 "I Will Go With You" interpretada por Donna Summer
Recordo-me que quando a SIC transmitiu a edição da "Moda Roma 1997", o tema foi tocado durante a homenagem a Gianni Versace, assassinado nesse ano, enquanto algumas top models desciam as escadarias da Piazza de Spagna com lágrimas nos olhos. "Con Te Partiró" foi também tocado durante as cerimónia fúnebres de Eusébio em 2014 quando a urna contendo o seu corpo circulou no Estádio da Luz.

Para terminar, um divertido apontamento. Há uma parte na canção em que Andrea Bocelli repete várias vezes "con me, con me, con me", e eu na altura efabulava que o pobre do Andrea devia estar cheio de fome quando gravou a canção e por isso repetia que queria "comer, comer, comer".


Videoclip:


“Time to Say Goodbye” by Andrea Bocelli & Sarah Brightman from h2ofish on Vimeo.

Actuação em 2007:



"Con Te Partiró" no Festival de San Remo 1995:




sexta-feira, 10 de março de 2017

Buffy - A Caçadora de Vampiros (1997-2003)


Além do elenco carismático, um dos elementos que sempre vi louvado em reportagens e artigos sobre "Buffy The Vampire Slayer" ("Buffy - A Caçadora de Vampiros" em Portugal, "Buffy, a Caça-Vampiros" no Brasil) foi a escrita de Joss Whedon ("Firefly","Serenity"), o criador, produtor executivo, realizador de alguns episódios e argumentista principal para a série. Aliás, a sua ideia de subverter o cliché da loura indefesa que é atacada e morta nos filmes de terror; de dar poder a uma heroína aparentemente comum foi a sua base para o guião do filme de 1992 "Buffy The Vampire Slayer" [trailer].



Mas, segundo o próprio Whedon, o seu guião de um filme de terror sobre uma mulher poderosa foi transformado numa paródia de vampiros. A crítica também não apreciou muito o resultado final, mas recordo-me bem de ver o filme no final dos anos 90, se não estou enganado na SIC ( algum tempo antes do começo da exibição da série nesse canal).
Whedon teve mais tarde a oportunidade de levar o seu conceito de Buffy para a televisão, pretendendo utilizar a escola como metáfora monstruosa para os problemas e ansiedades do crescimentos de adolescentes para adultos.


Todos os genéricos iniciais de "Buffy - A Caçadora de Vampiros":




A série "Buffy The Vampire Slayer", com a sua cheerleader fútil Buffy Summers (Sarah Michelle Gellar, "Scream 2") transformada na poderosa caçadora de vampiros estreou no dia 10 de Março de 1997 e foi um êxito e ainda hoje continua a ser objecto de culto entre os fãs, e um marco na cultura popular, apesar de ter terminado em 2003, ao fim de 7 temporadas, num total de 144 episódios.


A série teve continuação oficial em quatro "temporadas" de banda desenhada entre 2007 e 2011; e claro, em 1999 deu origem à série derivada "Angel" (5 temporadas entre 1999 e 2004) protagonizada pelo vampiro homónimo (desempenhado por David Boreanaz) que teve uma relação romântica com a caçadora de vampiros, e outros actores de "Buffy" (na altura na quarta temporada) e com um tom geral mais negro que a série "mãe".


Quando "Buffy" passou na SIC a partir de Janeiro de 1999 vi as duas primeiras temporadas, mas depois mudaram o horário até à sua passagem para a SIC Radical, visto que eu não tinha TV Cabo só via alguns episódios muito esporadicamente em casa de familiares.


Curiosamente, o meu "crush" na série não era a loira protagonista mas Charisma Carpenter no papel da fútil e vaidosa antagonista (pelo menos no inicio) de Buffy: a cheerleader Cordelia.

O elenco principal de suporte a Buffy incluia o seu mentor Giles (Anthony Head), a colega estudiosa Willow (que ao longo da série evolui de estudante brilhante sem aptidões sociais e uma mulher mais poderosa, e até literalmente, como uma bruxa. A personagem é ainda hoje um dos ícones lésbicos mais mencionados na cultura pop. Este papel ficou associado à actriz Alyson Hannigan, que também devem reconhecer da saga "American Pie") e o comic relief Xander (Nicholas Brendon). Outro favoritos dos fãs é o vampiro Spike (James Marsters) que começa como vilão mas passa ao estatuto de anti-herói e até amante de Buffy.

A acção da série passa-se em Sunnydale, uma fictícia cidadezinha da California situada em cima da "Boca do Inferno" (não a de Cascais) um portal de onde surgem todo o tipo de ameaças sobrenaturais que Buffy e os seus aliados vão combater, incluindo obviamente vampiros, mas também, demónios, fantasmas, zombies, lobisomens e também vilões humanos "normais".




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...